29jan
2013

B.A.S.E. Jumping – o esporte mais radical do planeta!

Publicado por

B.A.S.E. Jumping o mais radical de todos os esportes do mundo!

 

B.A.S.E. Jumping

B.A.S.E. Jumping – feito a partir de prédios

Antenas

Dentro de um estádio de futebol

 

Bem antes de Santos Dumont inventar o avião, o homem já invejava as aves. Sonhando um dia em poder voar livremente e sem muito esforço, criamos engenhocas e chegamos lá – mas agora o que queremos mesmo é emoção!

Se pular de um avião em movimento a quatro mil metros de altura, como no paraquedismo, é o suficiente para muitos borrarem as calças, imagine então se jogar de um prédio, ponte ou penhasco? Pois é exatamente isso que propõe o B.A.S.E Jumping.

Nesta modalidade, os atletas saltam de alturas que variam entre 150-600 metros (apenas!!), alcançando uma velocidade média de 200 km/h e costumam levar apenas um único paraquedas nas costas (tem coragem??!!). Pela rapidez da queda, não haveria tempo hábil para ativar um equipamento reserva.

De acordo com uma pesquisa realizada pela professora Verônica Monteiro da Rocha, doutora em Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), o grande barato deste esporte, considerado um dos mais perigosos do mundo, ” …é o medo”. Segundo ela, após superar o pavor anterior ao salto, os adeptos sentem intensa sensação de liberdade e prazer no instante que antecede a abertura do paraquedas, a queda livre.

“Este momento foi definido pelos atores como o ‘vôo dos homens’, no qual seus corpos parecem se transformar em pássaros livres para voar”, comenta a doutora num artigo de sua autoria publicado pela UPE sobre o B.A.S.E. Jumping.

As pontes também são alvos dos praticantes desse esporte radical

HISTÓRIA DO ESPORTE
B.A.S.E. é um acrônimo inglês que faz referência aos quatro pontos preferidos pelos base jumpers para praticar seus saltos: buildings, antennas, spans, and earth (prédios, antenas, pontes e penhascos, em tradução livre). Concebido pelo cineasta Carl Boenish, precursor da modalidade desde os anos 70, o B.A.S.E. Jumping também aparece em vários filmes do consagrado espião James Bond. Entre eles: 007 – O espião que me amava (1977), 007- Na mira dos assassinos (1985), onde o espião pula da Torre Eiffel, até o mais recente, Um novo dia para morrer (2002).

 

WINGSUIT
O wingsuit é a roupa especial que permite que o atleta “voe” por quilômetros enquanto está em queda livre. Projetada para ampliar a área de superfície do corpo, a ideia nasceu nos anos 30, porém só foi aperfeiçoada e apresentada ao mundo no filme The Gypsy Moths (1969). Hoje em dia há variações que contam até com jatos acoplados ao wingsuit.

WingSuit – zoom

WingSuits

 

RISCOS
Segundo dados publicados pelo jornal médico Bandolier, a taxa de mortalidade entre os praticantes do esporte é de uma para cada 2.318 saltos nos EUA. O Brasil já registra cinco mortes desde que o B.A.S.E. Jumping caiu de paraquedas no país.

 

Olha esse cara que doido, combina vários esportes doido com o B.A.S.E. Jumping

 

 

E ai galera do Esquenta, de quais monumentos históricos ou prédios famosos vocês topariam saltar? Algum leitor do Blog já teve essa experiência?

 

Agradecimentos:

www.areah.com.br

https://www.facebook.com/AreaH.Portal?fref=ts